DIAMANTE DE GOULD

 

 

CHLOEBIA GOULDIAE

Origem: Austrália

Habitat: BOSQUES, PARQUES E MATAS

Postura: 3 a 8 ovos

Informações sobre a espécie:
A História

Vistos pela primeira vez no ano de 1883, por uma expedição francesa, na costa da Nova Zelândia, quando esta se encontrava em viagem para a Austrália. Os membros desta expedição detinham finalidades científicas, ao desembarcar nesta ilha observaram uns pássaros de cores chamativas e que eram muito abundantes, sobrevoando os altos arbustos. Eram Diamantes de Gould.

Só puderam capturar três espécimes, cujos descreveram e decidiram considerá-los como uma nova espécie (Poephila Mirabilis), que traduzindo significa Poe = erva ou grama, phila = amante e mirabilis = maravilhoso. Todos os diamantes capturados eram adultos de cabeça vermelha. O ornitólogo John Gould, que se encontrava a explorar a Austrália, registou nos seus apontamentos, que tinha avistado um ninho de Poephila. Outro cientista descobriu na península de Cobourg uns outros pássaros similares, mas de cabeça negra. Foi quando John Gould pensou que era uma nova espécie, que chamou de Amadina Gouldiae. Apesar da sua semelhança, a diferença da cor pareceu-lhe digna de consideração.
Neste momento existe ainda polémica sobre o nome científico desta espécie, visto apenas ser uma única, com certo disformismo. Não demorou muito a comprovar-se que "Amadina Gouldiae" era "Poeplhila Mirabilis" com uma particularidade. É que o Diamante de Gould apresenta uma particularidade muito pouco comum, para uma mesma espécie existem distintas variedades, uma de cabeça negra e outra de cabeça vermelha, que podem conviver e reproduzir-se aparentado-se entre elas. Actualmente existem mais variedades.
Os primeiros Diamantes de Gould foram transportados para a Inglaterra no ano de 1887, onde foram recebidos com entusiasmo por parte de aficionados e criadores. Em 1896 foram expostos em Paris os primeiros exemplares vivos de Diamantes de Gould e no ano seguinte em Berlim. O Inglês P.W.Teague foi o primeiro a obter a reprodução do Diamante de Gould, estudando umas 24 gerações e publicando suas observações na Avicultura Magazine entre 1931 e 1946. É aqui começa a grande expansão dos Diamantes de Gould entre os aficionados da ornitologia.

Gould numa das suas obras escreveu: "Se novidade é um atrativo, quando a novidade se une à beleza e à elegância, o atrativo resulta consideravelmente em realeza."

Actualmente os "Diamantes de Gould" (Poeplhila Mirabilis) encontram-se em perigo de extinção na natureza devido às espécies introduzidas no seu habitat natural e devido ao fogos que cada vez são mais frequentes.

Características
É um pássaro bonito e dócil, com características de um bom pássaro de estimação. Um dos mais vendidos do mundo o Diamante de Gould "Poeplhila Mirabilis"é um espectáculo à parte, a sua coloração é muito variada e bem definida, faz dele um pássaro único em beleza e elegancia. Toda a gente se encantam com tanta beleza. Um Diamante de Gould apesar de ser deslumbrante, para os criadores. Um bom exemplar deve ter as cores bem vivas e definidas, ou seja uma cor não pode mesclar-se com a outra.

Outro exemplo é de quando a cor do peito é branca. A tonalidade desse branco deve ser a mais clara possível, não permitindo o acinzentado, excepto na cabeça, onde é admissível por ser uma diluição da cor preta na cabeça.

Tamanho: chega a medir 12.5 cm, do bico à ponta da cauda.

Envergadura: 17.5 cm Cores e variedades: Nota-se alterações nas cores das penas que recobrem a cabeça, em que pode predominar o vermelho, o laranja ou o preto. A variedade de cabeça vermelha é dominante em relação às demais. Um único exemplar, pode ter até 7 cores diferentes. O Diamante de Gould selvagem é uma espécie única mas existe sob várias formas, que hoje já são 25 fixadas no mundo, facilmente encontradas em criadores e em pet shops.
Um facto interessante, é que o macho tem as cores mais vivas e predominantes que a fêmea, usando esta marivilhosa característica da plumagem para proteger suas fêmeas e seus filhotes na época de acasalamento, chamando assim, à atenção dos predadores enquanto a fêmea e os filhotes ficam em segurança no ninho.

Os Diamantes azuis, são bem coloridos em tonalidades azuladas, cabeça roxa ou preta e de modo geral tendem a ter tons azulados em suas manchas.

Tempo de vida: Em cativeiro atingem até 7 anos. Canto: somente o macho mostra alguma cantoria, mesmo assim é um canto baixo e nada melodioso.
Alimentação

Ração própria para aves exóticas ou específica para os Goulds, enriquecida com folhas de alface e pedaços de frutas. Em cativeiro, recomenda-se misturar sal-gema e carvão vegetal em pó, para auxiliar a digestão. Adoram banhos diários e sol é importante para sua saúde. O Diamante de Gould é um pássaro granívoro, por isso deve ser alimentado com uma mistura de sementes, 30% alpista, 70% de painço, mistura esta que deve ser soprada e reposta todos os dias, verduras como almeirão, espinafre, ou chicória devem ser fornecidas pelo menos uma vez por semana, "Papa" é essencial para a boa saúde do pássaro e deve ser servida e trocada todos os dias, especialmente na época de reprodução e na muda das penas, também devemos servir osso de choco ou blocos de cálcio, os dois produtos são fontes de cálcio essenciais para os pássaros principalmente na época da postura, quando e especial as fêmeas precisam de reposição de cálcio. Para complementar, coloque uma tigela de areia própria para pássaros, deve ser deixada a disposição dos pássaros, a areia é um elemento muito importante para a saúde dos pássaros. A areia é óptima para a higiene e para os manter em boas condições de saúde, pois contém minerais, cálcio e auxilia na digestão das aves. Nunca deite a areia no fundo da gaiola, pois os pássaros podem contrair doenças, ao defecarem, as fezes cairão no fundo da gaiola e serão misturadas na areia, posteriormente poderam bicar essa areia podendo assim, contrair doenças que eventoalmente até os poderam conduzir ao obito. Em cativeiro quando tratado correctamente, esta ave pode viver de sete a nove anos. Farinhada/Papa todos os dias excepto para pássaros obesos.

A ração extrozada é essencial para quem quer garantir que sua ave está ingerindo todos as vitaminas necessárias, você encontra esse tipo de ração muitas vezes misturada em rações industrializadas.

Cuidados - Os diamantes de gould são pássaros delicados e sensíveis, merecendo do seu dono total dedicação e cuidados, principalmente na época de muda de penas, época esta que é a mais delicada na vida de um pássaro, onde as perdas podem ser grandes para os criadores, se não forem tidos em conta determinados cuidados. Nesta época o criador deve reforçar a alimentação, ter sempre a mão um energético/multivitaminico, como o açúcar de uva, proteger o pássaro de correntes de ar e evitar ao máximo o stress causado por manuseio, barulho e sustos, sempre que possível manter o menor numero de pássaros na mesma gaiola, evitando assim disputas por alimentos e brigas. A água deve ser trocada diariamente. Nunca fornecer água gelada.

Comportamento
Na natureza, são pássaros muito sociais, podem ser encontrados em bandos e na época da criação, pode haver mais de um ninho na mesma árvore. São pássaros sucegados, e vivem normalmente longe dos homens. O seu canto não é ouvido a longas distâncias. Em cativeiro o Diamante é um óptimo individuo, muito saltitante e esperto, vive tranquilamente em gaiolas ou viveiros, seja um viveiro com outros diamantes ou mesmo com outras espécies de tamanho proporcional a ele. Não se assusta fácilmente, mesmo quando o seu criador tenta introduzir a mão dentro da gaiola para trocar a água ou a ração, estas aves mostram-se muito tranquilas.

Cativeiro
A gaiola ideal para a criação de diamantes pode variar de acordo com o seu poder aquisitivo, tirando esse detalhe, se você disponibiliza de poucos recursos financeiros para iniciar a criação, aconselha-se que a gaiola tenha no mínimo 50cm de comprimento, 35 cm de altura e 30 cm de largura, esse é um tamanho básico para um casal.

Acessórios:

A gaiola deve ter sempre um bebedouro com água fresca trocada diariamente, comedouros limpos e sempre cheios da ração própria para Diamantes, um porta vitaminas "que nada mais é que um pequeno pote onde se irá colocar uma ração especial chamada de Papa amarela, vermelha, branca, facilmente encontrada em casa de rações e pet shops". A temperatura ideal para estas aves é de 15 a 25 graus Celsius. Tenha cuidado com correntes de ar e lugares muito frios, é um pássaro muito sensível a mudanças bruscas de temperatura. Caso você não tenha como fim a reprodução, e sim, apenas ter alguns em sua casa dando bom ambiente, a gaiola deve ser escolhida de acordo com o seu gosto, respeitando é claro, siga a instruções mencionadas acima que também devem ser utilizadas para quem deseja apenas manter estes magníficos pássaros.

Reprodução
O Diamante não é um pássaro de fácil reprodução em cativeiro. Os criadores suspeitam que na natureza a espécie esteja habituada a construir os ninhos em buracos que são muito escuros e quando estão em cativeiro, ainda que o criador proporcione um ambiente escuro para ele procriar, ainda assim não é satisfatório. Mesmo assim é possível criá-los, basta ter paciência e muita determinação, e sempre encontam alternativas para que o objectivo da reprodução seja conquistado.